1 de mai de 2007

Prova (de bosta) de amor

Ontem, domingo frio, eu, dolorido por causa do quebra-pau que fechou no jogo do Anhanguera (não apanhei, apenas errei um soco e acertei a trave, o que me causou um inchaço na mão direita – notem meu dom para as artes marciais), estava assistindo TV quando passei pelo programa Pânico na TV e deparei-me com uma matéria na qual a estonteante gueixa Sabrina Sato revelava o terrível trabalho dos limpadores de fossas, verdadeiros heróis que vivem, literalmente, trabalhando na merda. Assisti por alguns minutos, hipnotizado pelas três bundas e coxas e peitos (a japa e duas estupendas figurantes que desfilavam na tela).

Na hora lembrei-me de uma passagem trágica e cômica, prova irrefutável de amor por parte de Nelma (minha cunhada) à Angelo, meu irmão gêmeo. Para ilustrar melhor o que foi esta inconteste declaração amorosa, é preciso deixar claro que valeu muito mais do que qualquer outra demonstração afetiva, como fazer uma faixa de 5 metros com as escritas “Eu te amo” ou despejar toneladas de pétalas de rosas de um helicóptero sobre a casa do amado ou ainda cantar uma música de amor em público para o felizardo. Nelma fez muito mais que isso. Explico.

À época, o namoro não tinha completado três meses. Angelo, ainda usando a famosa carapuça de “homem-perfeito”, artimanha altamente corriqueira em se tratando de conquista, jamais havia arrotado ou emitido qualquer flatulência perto da amada, nem enfiado o dedo no nariz e muito menos tomado um porre. O rapaz era um lorde.

O fatídico dia foi num domingo. Estava meio frio. Almoço na casa da Nelma. Angelo, com arroubos de elegância, comprou flores e chocolates para a namorada, que, impressionada com o cavalheirismo do sujeito constatou: “Este é o homem perfeito. É aqui que vou amarrar meu burro!”.

É aí, caríssimos, que a vida nos mostra a crua e dura realidade, arremessando-nos impiedosamente ao mundo real e à definitiva constatação: ninguém é perfeito. A prova cabal veio em tom marrom e consistência pastosa.

Após o almoço, uma tremenda feijoada, toda a família (inclusive tios, primos e alguns amigos penetras) estava na sala tomando um cafezinho, assistindo a um jogo na TV e batendo papo e, provavelmente, falando mal de algum outro parente que não se fazia presente, hábito indelével de 9 entre 10 famílias. A feijoada estava tão deliciosa que o fino Angelo até perdeu um pouco do porte alinhado que o caracterizava quando junto da Nelma. Comeu dois belos pratos, tomou umas 8 latas de Brahma, chupou o osso da costelinha, palitou os dentes e até chegou a arrotar, ainda que de boca fechada, inflando as bochechas, cena que não passou despercebida pela apaixonada Nelma, que fez vistas grossas. Era um prenúncio. O portado moço sofreria a implacabilidade da natureza logo a seguir.

Um ronco esquisito na barriga anunciou o começo do processo. Logo em seguida, a palidez dominou seu rosto moreno e uma gota de suor escorreu timidamente, contornando a sobrancelha. Contrações de parto o faziam suar mais ainda. Angelo já estava desesperado. Antes de começar a se contorcer e sem que ninguém percebesse, foi disfarçadamente até o banheiro do andar de cima da casa, que estava em construção. Ele sabia, a essa altura, que se fosse a qualquer outro banheiro da casa, o odor do “alien” que estava dentro dele arrebataria a todos em questão de segundos. Sua nobre reputação estava em jogo.

Após meia hora de “serviço pesado” e um alívio maior do que sobreviver a um coreano enfurecido, começou o pesadelo.
Pausa: Nem o Angelo, autor da obra, agüentava o fétido odor que exalava. A privada foi terrivelmente castigada.

A sensação de alívio começou a se esvair no primeiro toque na descarga. O excremento, ao invés de descer, subiu seis centímetros. Uma expressão no rosto em tom de súplica calou o silêncio: “Ai, meu Deus. Faça com que funcione essa porcaria!”. Em vão.
O segundo toque na descarga elevou mais ainda a sujeira. Como ele não queria que ninguém percebesse o que estava acontecendo e não achando desentupidor algum, nosso herói foi obrigado a tomar a atitude mais nojenta e corajosa de sua vida. Respirou fundo, arregaçou a manga e - (não posso deixar de falar o indefectível “pasmem”) PASMEM - meteu a mão (até o cotovelo) na merda, tentando desentupir o vaso, amassando o que ainda estava sólido. Após o ato de bravura, o terceiro toque e a torcida, pensando: “Agora vai!”... Mas o troço subiu até borda.

Chorando de desespero e precisando de ajuda, soltou o grito da garganta: “Neeeeeeeelmaaaaa!!!!”. A moça, após subir a escada correndo, se depara com um Angelo sujo de merda até os cabelos, soluçando de chorar, soltando um muxoxo: “Não queria que você soubesse que eu precisava cagar. Olha o estrago que eu fiz!”...

E, num ato de amor, solidário, daqueles que só quem ama além dos limites é capaz, ela disse: “Calma, ninguém vai saber! Vamos limpar isso tudo, meu querido!”, deixando o enlameado amado mais tranqüilo. Nelma apertou a descarga com tudo e, como um vulcão em erupção, a lava de merda jorrava e caía no chão. Baldes e baldes de água e uma fábrica de sabão em pó foram consumidos para a limpeza.

Ao final da odisséia, tomado por um sentimento de vergonha, Angelo, um vaidoso nato, desceu as escadas em disparada, pulando de dois em dois degraus, e apenas gritou um “tchau” para os parentes da Nelma, que até hoje acham que ele saiu nervoso por causa de uma briga que os pombinhos travaram no andar de cima...

15 Comentários:

Anonymous Alemão disse...

AHUAUHAHUAHUAhuaHUahuAHUahuAHU
mtoooo booooaaa, mtooo...
imaginei o angelo com oos braços xeio de merda em paniko ahauhhauahuahuau...

floow arthuuur

1 de maio de 2007 14:08  
Anonymous Guilherme Parmegiani disse...

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!!!!!

Comigo aconteceu a mesma coisa, no começo do antigo relacionamento.
Só que eu não tive dúvidas: chamei a patroa logo no primeiro toque da descarga...
Não enfio a mão na privada enfezada nem fodendo!

:)

Kid, valeu pelos comentários no fotolog (e aqui no seu blog também).
Vindo de você, aliás, não é comentário, é atestado.

Só acalme um pouco minha mente curiosa: quanto tempo você demora pra escrever um post desses?
Eu deixei de fazer meu blog porque cada texto consumia facilmente 3, 4 horas até o resultado final.

Beijo!

1 de maio de 2007 18:49  
Anonymous Mel* disse...

Arthur
Mto boa historia adorei demais!
Eiita prova de amor!!! rs
Gostariamos de ter ido na churrascaria ontem, mas estavamos justamente num aniversario comendo churrasco hauhauauhauauhaauhauh

Beijos!!!!

2 de maio de 2007 10:56  
Anonymous julinho disse...

uhahushuashahshuas
ai minha barriga!!
uhashuuhahsahusa
nun consigo para de rir!!
uhashuasuhashu
nun consigo para de imaginar a cena!
hahahaha nunca mais dou a mão pro keiko!!! uhahhuahauhuaa

isso q é amor!!

"...desceu a escada em dispara pulando de dois em dois degraus.."
aushuashushuas

abrass kid!!
bagaçou agora... ou melhor o keiko q bagaçou!!!

2 de maio de 2007 14:32  
Anonymous Ava disse...

E ai Arthur
Como seu irmão é ridículo
Tipo uma vez eu já me caguei na frente da melissa
Mas tava só ela
Agora na frente da familia inteira
É meio tenso
ahuahauhauhauhauhauahuahuauaaua
Fiquei devendo ontem de tomar umas brejas com vcs
É que estavamos em um churras da minha prima
Outro dia marcaremos
Abraços Arthur

2 de maio de 2007 14:51  
Anonymous Sherra disse...

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAaaaahahahaahahahahahahaha
ahahaahahahahahaha
ahahahahaahahahahaahaha
ahahahahahahahaahahhahahahahaahahahahahahaahahahahaha
ahahahahahahahahhahahahahhaha


Eu não acredito...



hahahahahaahahaahaaa
ahahaahahahahahahaha
aahahahahahah

2 de maio de 2007 17:28  
Anonymous Angelo disse...

Srs...é com a alegria que confirmo: A história é verdadeira...ahahhahahaha.

Meu Deus...era "lama" até no cabelo...hahahahahaha

Só que eu gostaria da revanche Cabra..quando puder meta bala e escreva a Revanche...vc sabe qual é. Deixaremos aqui o público curioso..hahahahha

Abs, srs
Angelo

2 de maio de 2007 17:55  
Anonymous Arthur Tirone disse...

Alemão, Julinho e Sherra: quando eu soube dessa história tive a mesma reação de rir como um retardado.

Mel e Ava: Oportunidades de beber juntos não faltarão. Mas apareçam!

Gênio: Pra acalmar sua curiosidade: eu não escrevo diariamente. O que me dá um tempo maior de botar as idéias em ordem. Mas quando sento pra escrever, posto um texto em, no máximo, uma ou duas horas!

Angelo: A revanche virá à tona! Aguarde!

2 de maio de 2007 19:50  
Anonymous Carol disse...

HAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAU
HAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAU
HAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAU
HAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAU

Ganhooou a do Cirilooooo ... SEM SOMBRA DE DÚVIDAAAAS ... Huahuahuahuahuahuahua ...
Meuuuuuuuuuuuu, socorrroooooo, dói meu corpo inteiro de tanto riiiiiir ... ahuahuahauhauhuhauhauhahaha
Comoooo eu vou olhar pro Angelo agoraaaa ???? Não vou aguentaaaaaaaar ... ahuahuahuahuahauhauhauahuahuahuahuahauhauhauhauahuauh ...
Vou ter que olhar pra mão deleeeee certeeeeeezaaaaa !!! ahuahuahuahauhauhauhau ...
Nelmaa, vc se superou na calma ... Eu, com certeza não me contentaria com as risadas e acabava cagando tb, mas de tanto riiii !!!
Tadinhoooo do Angelo meuuu ... Huahuahuahuahuahua ...
ACIDENTES ACONTECEM ... ahuahauhauhauahuahu ...
E TB TO CURIOSÍSSIMA PRA SABER A REVANCHE ...
Coisa boa tb não deve ser ...

shuahsuahushauhsu ...
Obrigada Artú, por mais um prazeroso momento de imeeeeeeensas risadas !! ahauhauha ...
Beijos bonito ...

HUAHUAHUAHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAU

2 de maio de 2007 19:56  
Anonymous Anônimo disse...

Arthur eu pensei que a do Cirilo fosse a sua melhor para a gente rir, mas concordo com a Carol, essa foi de lascar, de fazer com que a gente quase faça igual ao Angelo só que de tanto rir.

Beijos,
mami

2 de maio de 2007 21:53  
Anonymous glauton disse...

é mentira isso....por favor!!!
hahahhhahahahhahahahhaha
o cara se fantasiou de merda humana na casa da futura esposa ???

hahahahhahahahhahaahhahah
o mano, to passando mal ... vai caga kid, mas nao como o angelo !!!
HAHAHHAAHHAHAHAA



ps: vc socando a trave deve ser bunito tb hein ??? eu q achava q vc era um ser treinado pelos metres chineses com suas sabedorias marciais ...


abraço

2 de maio de 2007 22:44  
Anonymous GIL disse...

O Angelo realmente é um MERDA.

3 de maio de 2007 19:19  
Anonymous Gil disse...

e o melhor de tudo é q eu estou jantando nesse momento ...

3 de maio de 2007 19:20  
Anonymous Daniel Frangiotti disse...

Cabras parabéns!!!
Bela história de amor!!!

Tenho que confessar também, que é um dos temas que conversamos bastante em bares. A Merda de cada dia.
E essa com toda certeza está entre as melhores.
Fantástica, animal e poética!!!

Abraço!!!
A.A.A. Caralho

4 de maio de 2007 15:11  
Blogger Rainha do Deserto disse...

HAhaHAHha... mentira! HAhaHA... eca! HAhaHAhHA...

essa mulher tem que ser canonizada. aproveita que o padreco tá aí e pede. seu irmão está obrigado a casar com ela desde esse dia. ele sabe disso, né?

bjks

8 de maio de 2007 17:44  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial

online