24 de jan de 2008

Bicho-Bom

Um texto do meu amigo Eduardo Goldenberg, desta semana, me bombardeou de lembranças que repousavam há tempos em minha cuca. Lembranças das mais remotas, que remontam meus tempos de infância, dos 3 ou 4 anos de idade. O texto do Edu revela o orgulho do pai ao ver desabrochar o instinto do pequeno filho, que, nos desfiles de blocos carnavalescos do Rio de Janeiro, sob forte influência dele, tascava a mão nas polpudas nádegas de exuberantes mulatas. Daí, lendo o texto, vi o Seu Isaac se transformando em Mimi, meu pai, e o Edu já era eu.

Minha primeira musa foi a Cláudia Raia, na novela Roque Santeiro. Eu era bem pequeno. Quando ouvia a música de abertura, saía correndo e grudava os olhos na TV, esperando a Ninón aparecer. O velho enchia o peito orgulhoso diante da iminente virilidade do pequeno filho. Não me lembro disso; minha mãe é quem conta. No entanto, a recordação que me veio é que eu e o Angelo (o Bruno era um bebê ainda), no auge dos 4 anos, éramos tarados pelas Vitaminas do Chacrinha, as gloriosas Chacretes. Meu pai nos chamava: “Vem cá, Arthur! Angelo, vem ver.”. Nós íamos babando e o velho, sutil e delicadamente, nos revelava essas coisas mundo. Apontando para a Roseli Dinamite, para a Fernanda Terremoto ou para a Leda Zepelin, dizia: “Olha o bicho-bom! Isso é o bicho-bom, entenderam?”. Tanto entendemos que usávamos a expressão. Ele se gabava quando alguma mulher passava na rua e nós o puxávamos pela calça, gritando: “Pai, olha aí o bicho-bom!”. Pouco tempo depois ele deixou de usar essa expressão e nós também a esquecemos. Voltando ao Chacrinha, às vezes eu me imaginava entrelaçado nas pernas da Valéria Mon Amour ou da Esther-Bem-me-Quer, embora para mim a Índia Poti fosse imbatível. Não tinha pra ninguém.

Mais que tudo, no entanto, as alcunhas das Chacretes mexiam com a minha tenra inocência:

- Pai, por que o nome dessa aí é Erica Selvagem?
- É que ela veio do mato, meu filho.

Angelo também destilava a sede de saber sobre as donzelas:

- Pai, por que Regina Polivalente?
- É que ela faz de tudo, filhão. Barba, cabelo e bigode. – Ficávamos imaginando a Regina fazendo a barba de marmanjos num salão tão espelunca quanto ao do Osvaldo, nosso barbeiro.

Após alguns anos, naturalmente, viemos a entender algumas coisas e endoidamos quando foi lançado pelo Miele o programa Cocktail, em que deliciosas garotas mostravam os peitos. Cada uma das moças era uma fruta. A cereja era a minha preferida. Nessa fase, o Bruno, então com uns 4 de idade, recebeu o ensinamento que eu e Angelo tivemos com as Chacretes; mas dessa vez nós, os irmãos mais velhos, é quem levávamos – escondidos da minha mãe – o pirralho pra ver aqueles seios de todos os tamanhos. Lembro-me bem que uma das raparigas, a que representava o limão, tinha fartura de peitos; que exuberância. O Bruno vidrava nas turbinas da Mulher-Limão!

Escrevi isso porque outro dia, almoçando com o Bruno, aconteceu dessas coisas que parecem naturais, mas que tem explicação. Meu irmão, certamente, nem sabe disso.

A cena que se deu foi a do Bruno, esfomeado, espremendo um limão inteiro num prataço de arroz-com-feijão. Após misturar os grãos com o azedo, saboreando a primeira garfada e empunhando o limão, prestou a reveladora homenagem à fruta com um adjetivo que, certamente, ficou encravado em sua memória na época em que borrava as fraldas:

- Ô bicho-bom!

14 Comentários:

Blogger ala.federico disse...

...o Bruno recebeu mensagens subliminares rsrsrsrs..e entendeu bem o recado, ainda que ácido!!! rsrsrs

24 de janeiro de 2008 15:29  
Anonymous Bruno Tirone disse...

Amigos eu lembrava vagamente desse programa,confesso que da mulher limão eu não lembrava.
Muito boa lembrança Arthur.Mas será que é por isso mesmo que eu gosto tanto de limão, inclusive caipirinha?

Abraço.

24 de janeiro de 2008 16:07  
Anonymous Carol disse...

Hahahahahahahahahaha ...
A pedidos do Bruno, aqui estou mais uma vez quase infartando de tanto rir ! ahahhaaahahahahaha ...
Que coincidênciaaaa !! ahahahahahahhahahaha meuuu, loocoo !!! ameiii !!! ahahaha ...
O Arthurco como sempre, abençoando a literatura e envolvendo cada vez mais cada um de seus leitores ...
Milhares de aplauso e milhões de beijos ... À você Tuca e ao Azedinho do Bruno !!! Rss ...

24 de janeiro de 2008 16:40  
Anonymous Anônimo disse...

É Cabra...o Xúnior sabe das coisas..mas na verdade o que ele quis dizer é que as lesmas do limão estavam gostosas..porque o malandro come até pedra..hahahaha.

Bj
Angelo

25 de janeiro de 2008 09:06  
Anonymous glauton disse...

eu me recordo do Cocktail !!!
mas minha favorita era a Tutti-Frutti!
hahahhahaha

28 de janeiro de 2008 15:26  
Anonymous Piruca disse...

essa família Tirone é da pesada!!

28 de janeiro de 2008 20:06  
Blogger Craudio disse...

Eu me acabava na Mariette do Gugu. E nas Marcianas...

29 de janeiro de 2008 03:11  
Blogger Eduardo Goldenberg disse...

Isso aí só prova, Salgueiro (minha favela favorita, nunca é demais lembrar), que os os pais (os nossos, in casu) são peças fundamentais na formação de um homem e na construção de seu caráter. Ainda que eles façam o que fazem (ou o que fizeram, no nosso caso, de novo) sem planejar, o resultado é esse aí: filhos-espelhos dos pais, filhos orgulhosos, filhos dispostos a manter acesa a chama que não se apaga. Beijo!

29 de janeiro de 2008 12:23  
Anonymous Melissa disse...

Artur,

Muito bom....

Imagino a sua cara olhando aquele limão nas mãos do Bruno.
huaahauahuahahuahuaahuaahauhahu

Vcs são figuras demais!!!

30 de janeiro de 2008 09:46  
Anonymous Guilherme Parmegiani disse...

Hahahahahahahahahahaha!!!!!!
Fantástica a história!!!

Nossa, e você desenterrou esse programa! Cocktail, nem lembrava que era esse o nome.
Só lembrava da musiquinha "tutti-frutti, tutti-frutti, tuuuutti-frutti!"

Eu tenho uma predileção especial por seios hoje em dia por culpa, acredito eu, deste programa. Meu imaginário infantil foi inundado com aquelas cenas lindas das frutinhas nos mamilos.

Bom, pelo menos o hoje em dia eu gosto de seios, não de limão.

:)

Beijo, Arthur!

31 de janeiro de 2008 16:59  
Anonymous Guilherme Parmegiani disse...

Você deve ter visto, mas... Fica a dica pros leitores:
http://www.youtube.com/watch?v=nWPV5JzvT1w

Impagável!

31 de janeiro de 2008 17:05  
Anonymous Ava disse...

Arthur, essas histórias de quando vcs eram crianças são muito engraçadas, pena que o Bruno que teve varias influências para ser um homem depois que cresceu virou um Ogro Gay
Abraços
Ava

7 de fevereiro de 2008 11:05  
Blogger Arthur Tirone disse...

Cheila: Por isso o Bruno adora caipirinha!

Bruno: alguma dúvida ainda?

Carol: Obrigado.

Angelo: pois é...

Glauton: Tutti-Frutti era a letra da música de abertura e da exibição dos peitos. Não tinha nenhuma garota-tutti-frutti.

Piruca: Pesado fica no chão.

Craudio: Ah... As Marietes!

Edu: E não deixaremos apagar.
Beijo.

Melissa: Minha cara foi de "Eureca!".

Guilherme: Qual era a sua preferida?

Ava: Piada original, hein?! De qualquer maneira, duvido que você deixe alguma ente querida sua sozinha com o Bruno.

7 de fevereiro de 2008 11:27  
Anonymous Anônimo disse...

Artú, vc esqueceu de comentar das fotos da Magda Cotrofe e Luciana Vendramini que ficavam expostas no meu quarto... Sem contar nas playboys que o meu irmão colecionava e que vcs sorrateiramente pegavam para apreciar.

abrax,

Adri Tironi

26 de fevereiro de 2008 11:59  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial

online